Blogue interativo onde se pretende responder a perguntas frequentes de Língua Portuguesa.

Envie dúvidas para:

portuguescorrecto@gmail.com

Este blogue recomenda:

Pontapés na Gramática - www.wook.pt

Ligações

Parcerias

arquivos

Junho 2014

Março 2014

Fevereiro 2014

Janeiro 2014

Dezembro 2013

Outubro 2013

Agosto 2013

Julho 2013

Maio 2013

Abril 2013

Março 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Setembro 2012

Março 2012

Janeiro 2012

Agosto 2011

Janeiro 2011

Julho 2010

Fevereiro 2010

Agosto 2009

Junho 2009

Maio 2009

Abril 2009

Março 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Setembro 2008

Agosto 2008

Julho 2008

Março 2008

Fevereiro 2008

Janeiro 2008

Outubro 2007

Setembro 2007

Agosto 2007

Julho 2007

Junho 2007

Maio 2007

blogs SAPO

subscrever feeds

Sábado, 10 de Janeiro de 2009

Ter de ou ter que?

Qual será a forma correcta?
 
a)      Tenho que me ir embora.
b)      Tenho de me ir embora.
 
Escolheu “tenho que”? Pois é, realmente ouve-se tantas vezes este erro que até o tomamos como certo. Mas a frase correcta, neste caso, é a da alínea b). Vejamos porquê:
 
  • Ter que usa-se no sentido de “ter algo para”. Usamos esta expressão quando antes do “que” podemos subentender as palavras “algo”, “coisa” ou “coisas.
  • Ter de serve para exprimir “dever”, “obrigação”, “desejo” ou “necessidade” em relação a alguma coisa. Assim, tomando o exemplo inicial, “tenho de me ir embora” significa que se tem necessidade ou se é obrigado a ir embora.
 
Vejamos mais alguns exemplos:
 
  • Tenho de estudar. = sou obrigado/ tenho necessidade de estudar
Tenho que estudar. = tenho muitas coisas para estudar
 
  • Tenho que comer. = tenho alimentos para comer.
Tenho de comer. = tenho necessidade, ou devo comer.
publicado por PN às 23:11

link do post | comentar | ver comentários (10) | favorito
Sexta-feira, 9 de Janeiro de 2009

Formação do plural de palavras compostas – 1

 
1 – Qual o plural de decreto-lei?
 
Quando a palavra é formada por dois nomes com o mesmo estatuto e idêntica contribuição para o significado da palavra, ambos os elementos vão para o plural. Por isso, dizemos:
 
o decreto-lei         -             os decretos-leis
(= o diploma é simultaneamente decreto, porque foi elaborado pelo Governo e uma lei)
 
Caso a palavra seja formada por um nome e outro com valor de determinante específico desse nome, especificando-o, limitando-o ou referindo a sua função só o primeiro elemento vai para o plural.
 
Exemplos:
 
Navio-escola -     Navios-escola
(navio que serve de escola)
Homem-rã    -   Homens-rã
(homem que age como rã, não se trata de uma verdadeira rã)
 
2 – Qual o plural de pé-direito
 
A este termo usado para indicar a altura do pavimento ao tecto, formado por um nome e um adjectivo, aplica-se a regra do exemplo anterior, ou seja, ambos os elementos vão para o plural. 
 
Assim:
 
 Pé-direito            -      pés-direitos
Amor – perfeito   –    amores-perfeitos
Surdo-mudo    -     surdos-mudos
publicado por PN às 23:09

link do post | comentar | ver comentários (2) | favorito
Quinta-feira, 8 de Janeiro de 2009

Colocação de pronomes - 2

Em que situações devemos colocar o pronome antes do verbo?

 

Vejamos alguns exemplos de colocação errada do pronome:
 
a) Ele não disse-me nada.
b) Quem disse-te isso?
c) Que tudo corra-te bem!
d) Quando ontem deitei-me, ouvi barulho na rua.
e) Ambos sentiam-se felizes.
 
Segundo a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, entre outras situações, devemos colocar o pronome antes do verbo quando:
 
a) nas orações há uma palavra negativa (não, nunca, jamais, ninguém, nada, etc.) e entre ela e o verbo não há vírgula.
 
Assim, devemos dizer e escrever:
 
- Ele não me disse nada.
- Nunca me tinha apercebido disso.
- Ninguém me avisou.
 
b) nas orações iniciadas com pronomes e advérbios interrogativos.
 
- Quem te disse isso?
 
c) nas orações iniciadas por palavras exclamativas, bem como nas orações que exprimem desejo.
 
- Que tudo te corra bem!
- Bons olhos o vejam!
 
d) Nas orações subordinadas desenvolvidas.
 
- Quando ontem me deitei, ouvi barulho na rua.
 
e) quando o sujeito da oração, anteposto ao verbo, contém o numeral ambos ou algum dos pronomes indefinidos (todo, tudo, alguém, outro, qualquer, etc.)
 
- Ambos se sentiam felizes.

tema:
publicado por PN às 23:08

link do post | comentar | favorito
Quarta-feira, 7 de Janeiro de 2009

Colocação de pronomes -1

1 – Qual a forma correcta?
 
a)      Devemo-nos sentar.
b)      Devemos sentar-nos.
c)      Devemos sentarmo-nos.
 
Segundo a Nova Gramática do Português Contemporâneo, de Celso Cunha e Lindley Cintra, quando se trate de locuções verbais formadas por um verbo auxiliar e um verbo principal no infinitivo ou gerúndio, podemos ligar o pronome átono ao verbo auxiliar ou ao verbo principal. Assim, as formas a) e b) estão correctas.
Já em relação à alínea c) esta não se pode considerar válida porque o infinitivo está flexionado (conjugado) e não devia estar porque o sujeito do verbo auxiliar (dever) é o mesmo e já está subentendido na terminação deste (devemos = nós) pelo que não há necessidade de o voltarmos a repetir.
Assim, podemos dizer:
 
Devemo-nos sentar             e           Devemos sentar-nos
Devemo-nos assoar             e           Devemos assoar-nos
 
Mas não:
 
Devemos sentarmo-nos
Devemos assoarmo-nos
 
Da mesma forma é válido dizer:
 
Vem-me buscar ou vem buscar-me
tema:
publicado por PN às 23:06

link do post | comentar | favorito
Terça-feira, 6 de Janeiro de 2009

Ecrã, ecran ou écran?

Devemos escrever:
 
a)      Eles não saíram da frente do ecrã;
b)      Eles não saíram da frente do ecran   
ou
c)      Eles não saíram da frente do écran?
 
A forma correcta é a da alínea a). Esta é a forma portuguesa da palavra francesa écran.
publicado por PN às 23:05

link do post | comentar | ver comentários (7) | favorito
Segunda-feira, 5 de Janeiro de 2009

Calçar ou vestir luvas?

Devemos dizer calçar as luvas. Esta escolha verbal está relacionada com o facto de usarmos o verbo calçar quando queremos dizer que “vestimos” os membros inferiores. Como as mãos também são membros, embora superiores, por analogia empregamos o mesmo verbo. Assim, dizemos:
 
- Calçar os sapatos
- Calçar as meias
- Calçar as luvas
publicado por PN às 23:04

link do post | comentar | favorito
Domingo, 4 de Janeiro de 2009

Entretinha ou entretia?

Qual das expressões está correcta?
 
a) Eu entretinha as pessoas.
 
b) Eu entretia as pessoas.
 
Ao contrário do que se costuma ouvir e ler, a forma correcta do verbo entreter é “entretinha”. Este verbo é formado a partir do verbo “ter” e, por isso, segue a sua conjugação. Assim:
 
Eu tinha - Eu entretinha    e não entretia
Tu tinhas – Tu entretinhas e não entretias
Ele tinha – Ele entretinha e não entretia
publicado por PN às 23:02

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sábado, 3 de Janeiro de 2009

Aonde ou onde?

Onde = lugar em que/ em que (lugar). Indica permanência, o lugar em que se está ou em que se passa alguma coisa. Complementa verbos que exprimem estado ou permanência e que normalmente pedem a preposição em:


  • Onde estás? – Em casa.

  • Onde mora a Maria?

  • Não entendo onde ele estava com a cabeça quando falou nisso.

  • Não sei onde me apresentar nem a quem me dirigir.


Aonde = a que lugar. É a combinação da preposição a + onde. Indica movimento para algum lugar. Dá ideia de aproximação. É usado com os verbos ir, chegar, retornar e outros que pedem a preposição a. Exemplos:


  • Sabes aonde eles foram? – Ao cinema.

  • A mulher do século 21 sabe muito bem aonde quer chegar.

  • Aonde nos levará esta discussão?

  • Estavam à deriva, sem saber aonde ir.

  • Há lugares no universo aonde não se vai sozinho.

publicado por PN às 23:02

link do post | comentar | ver comentários (1) | favorito
Sexta-feira, 2 de Janeiro de 2009

Com ou sem hífen?

A língua portuguesa, como qualquer língua viva, está sempre a evoluir. Enquanto algumas palavras vão caindo em desuso e desaparecem, muitas outras surgem. E este nascimento de novas palavras, muitas vezes formadas a partir de outras, causa-nos dúvidas na escrita.
A colocação ou não de hífen é um dos problemas que nos surgem com frequência. Esta dificuldade pode ser atenuada se conhecermos algumas regras.
 
1.      Auto-estrada ou autoestrada? Infra-estrutura ou infraestrutura?
 
O prefixo auto exige hífen quando o segundo elemento é independente (uma palavra com significado próprio) e começa por uma vogal, h, r ou s. Assim, escrevemos auto-estrada, mas escrevemos autobiografia. A mesma regra aplica-se a outras palavras formadas com os elementos gregos: “contra”, “extra”, “hetero”, “infra”, “neo”, “proto”, “pseudo”, “supra” e “ultra”. Por isso, enquanto o Acordo Ortográfico de 1990 não entrar em vigor, devemos escrever:
 
  • Hetero-avaliação 
  • Neo-republicano
  • Infra-estrutura
  • Supra-renal
 
Mas:
 
  • Neologismo
  • Pseudónimo
  • Supranumerário
 
2. Mal-criado ou malcriado?
 
O prefixo “mal”só se separa se o segundo elemento começar por vogal ou h.
Portanto, escreve-se malcriado, mas mal-educado.
A mesma regra aplica-se com o prefixo “pan”, como por exemplo em pan-helénico.
 
3. Superhomem ou super-homem?
 
Com “hiper”, “inter” e “super” aplica-se hífen antes de h ou r como em super-homem, inter-regional ou hiper-ridículo.
 
4. Sub-urbano ou suburbano?
 
Palavras formadas com “sob” ou “sub” têm hífen antes de b, h ou r. Daí que se escreva suburbano, mas sub-reino e sob-roda.
 
publicado por PN às 23:00

link do post | comentar | favorito
Quinta-feira, 1 de Janeiro de 2009

“Penso eu de que…” e outros problemas de regência com verbos

 

A expressão “penso eu de que” proferida pelo Bimbo da Costa, um dos bonecos do Contra-Informação”, serviu para caricaturar uma tendência para o uso errado da expressão “de que”. O verbo pensar não exige a preposição “de”, porque não pensamos “de alguma coisa”, pensamos em alguma coisa, logo, “pensamos que”.

 

Já outros verbos, em determinados contextos, requerem o uso da preposição de. Vejam-se alguns exemplos:

 

 a) Ele informou-o de que iria chegar tarde.

b) Ele informou que iria chegar tarde.

 

 Quando o complemento indirecto (a pessoa a quem damos a informação) se encontra expresso, o verbo deve vir seguido da preposição “de”. Assim, quando se informa alguém acerca de alguma coisa = informar de que. Quando não se indica a pessoa a quem se destina a informação, não se utiliza a preposição “de”, conforme se verifica em b).

 

c) Ele certificou-se de que tudo estava preparado para a reunião.

 d) Ele certificou que ele tinha estado presente na reunião.

 

Quem se certifica, certifica-se de alguma coisa. Por isso com a forma reflexa do verbo certificar, devemos utilizar a preposição de. Já quando se usa o verbo certificar, com o sentido passar uma certidão ou de atestar, não é necessária a preposição.

Assim, a expressão “de que” aplica-se quando podemos aplicar ao verbo a expressão “de alguma coisa”, como em:

 

• Ele assegurou-se de que estava tudo bem fechado.

 • Ele convenceu-se de que tinha razão.

• Ele apercebeu-se de que estava enganado.

 • Ele lembrou-se de que tinha deixado o forno ligado.

 

Não se deve usar a preposição “de” com os verbos: afirmar, anunciar, comunicar, confessar, declarar, dizer, expor, manifestar, noticiar, ordenar, pretextar, proferir, publicitar, saber.

Portanto:

 - Ele declarou que ia embora.                -Ele declarou de que ia embora.

 - Ele informou o pai de que ia embora.   - Ele informou o pai que ia embora.

tema:
publicado por PN às 22:58

link do post | comentar | favorito

pesquisar

 

tema

"de forma que” ou “de forma a que”

"façamos" e "possamos" (pronúncia de)

à

à bocado ou há bocado; à pouco ou há pou

a cerca de

à falta de/ há falta de

a fim ou afim

a herpes ou o herpes

á ou há

à parte ou aparte

à pouco ou há pouco

a ver ou haver

à vontade ou à-vontade

à/há/a

abreviaturas

abstenção ou abstinência

acerca de

acerto ou asserto

acessibilidade ou acesso

acordo ortográfico

açoreano ou açoriano

adesão ou aderência

adjectivos

adn ou dna

ah

album ou álbum

alcoolemia ou alcoolémia

aldeão (plural de)

aluga-se ou alugam-se

alugar ou arrendar

amaríssimo

analisar ou analizar

andar ou andarem (infinitivo impessoal o

anteontem ou antes de ontem

antes de mais ou antes demais

aonde ou onde

apesar de a ou apesar da

apetência ou aptidão

aprender e apreender

apresentar-se-à ou apresentar-se-á

arrolhar ou arrulhar

ás ou às

assoar ou assuar

atractivo ou atraente

atraem ou atraiem

aula de inglês em natal

bêbado ou bêbedo

bem haja/ bem aja/ bem hajam

benvindo/ bem-vindo

bilião

blogómetro; top 10

boas festas ou boas-festas

bocal ou bucal

bolçar ou bolsar

ç

c

caber ou couber

caem ou caiem

calçar ou vestir luvas

cartuxo ou cartucho

cérbero ou cérebro

cerrar ou serrar

chamar a/ à atenção

cheque ou xeque

círculo ou ciclo vicioso

climático ou climatérico

clínico geral (feminino de)

cobarde ou covarde

côco ou coco

com nós ou connosco

com ou sem "h"

concertar ou consertar

concerteza ou com certeza

concerto ou conserto

concordância com "o número de"

conjugação pronominal

consolado ou consulado

consolar ou consular

convidamo-vos ou convidamos-vos

cor ou côr

corrector ou corretor

costear ou custear

costeleta ou costoleta

cota ou quota

currículo ou curriculum

de que

de repente ou derrepente

decerto/ de certo

decorrer ou decorrimento

defenida ou definida

deferir ou diferir

degradado ou degredado

demais ou de mais

desapercebido ou despercebido

desfolhar ou folhear

desfrutar ou disfrutar

desmentimento ou desmentido

pronomes

tacha ou taxa

ter de ou ter que

todas as tags